Opinião... Mary Kubica * Não Digas Nada

Data Início: 17-10-2014 
Data Fim: 23-10-2014

AutorMary Kubica
Título: Não Digas Nada
Editora: TopSeller
ISBN: 9789898626547
N. Páginas: 336

Sinopse:
Um thriller psicológico intenso e de leitura compulsiva, "Não Digas Nada" revela como, mesmo numa família perfeita, nada é o que parece.
«Tenho andado a segui-la nos últimos dias. Sei onde faz as compras de supermercado, a que lavandaria vai, onde trabalha. Nunca falei com ela. Não lhe reconheceria o tom de voz. Não sei a cor dos olhos dela ou como eles ficam quando está assustada. Mas vou saber.»
 Filha de um juiz de sucesso e de uma figura do jet set reprimida, Mia Dennett sempre lutou contra a vida privilegiada dos pais, e tem um trabalho simples como professora de artes visuais numa escola secundária. Certa noite, Mia decide, inadvertidamente, sair com um estranho que acabou de conhecer num bar. À primeira vista, Colin Thatcher parece ser um homem modesto e inofensivo. Mas acompanhá-lo acabará por se tornar o pior erro da vida de Mia.

Comentário:
O título deste livro, sem dizer nada, já nos diz tanto! Como é que uma expressão como Não Digas Nada pode conter tanta história, como esta que Mary Kubica nos conta?
Eu não vou dizer muito sobre a história deste livro, pois jamais tiraria o prazer da sua leitura a quem está a ver este comentário. 
Mas posso dizer muito e bem da sua autora, da forma como está escrito, do enredo, da riqueza das personagens.
A própria estrutura do livro está pensada de forma brilhante com capítulos intercalados entre o antes e o depois, entre o rapto e o hoje. Sem ser confuso, aguça-nos ainda mais a nossa curiosidade e desvenda-nos em paralelo o que aconteceu e como as personagens lidam agora com esses acontecimentos. É uma história que nos demonstra que nem tudo o que parece é, e que é possível haver coisas positivas no meio do caos e da destruição.

A personagem de Mia (ou será Chloe?) é complexa e intrigante, mas ao mesmo tempo as suas atitudes vão-se tornando compreensíveis à medida que vamos conhecendo os seus antecedentes familiares. Da mesma forma, a personagem de Colin (ou será Owen?), acaba por nos cativar e nos fazer entender que não devemos julgar as pessoas apenas por aquilo que vemos no momento... Os pais de Mia são um retrato fiel de muitas famílias da alta sociedade onde a aparência prevalece acima dos valores e finalmente, a personagem de Gabe, o inspector, é igualmente complexa e credível.

Tudo isto torna este livro numa leitura muito interessante e compulsiva, estando a autora de parabéns pela forma brilhante como construiu esta história. Gostei muito!

Classificação: 9,25/10

Sem comentários: