Opinião... Raphaël Jerusalmy * Os Caçadores de Livros

Data Início: 16-09-2015
Data Fim: 23-09-2015

Autor: Raphaël Jerusalmy
Título: Os Caçadores de Livros
Editora: Clube do Autor
ISBN: 9789897242373
N. Páginas: 296

Sinopse:
Um thriller histórico sobre a luta das potências europeias para salvar uns livros e destruir outros. A importância do domínio do Conhecimento para mudar o mundo e colocar fim à idade das trevas.
No final da Idade Média, pouco depois da invenção da prensa de Gutenberg, uma misteriosa conspiração tenta vencer o obscurantismo da Igreja Católica, difundir a liberdade de pensamento e contrariar os limites da Inquisição.

«Os caçadores de livros é um romance inteligente sobre uma missão clandestina contra o Vaticano com o objetivo de preservar manuscritos antigos.»
The New York Times
.

Comentário:
Assim que li a sinopse deste livro, entrou de imediato para a wishlist. O simples conceito de haver Caçadores de Livros, deslumbrou-me!
No entanto, achei a leitura bastante confusa, não sei se sou eu que ando mais cansada e não consigo captar tudo o que a leitura me dá à primeira, ou se é de facto confuso. Certamente será um livro a ser relido no futuro, porque gostei muito da história, mas senti-me baralhada e perdida inúmeras vezes...

A escrita do autor baseia-se muito em começar a contar uma nova parte da narrativa sem ligação (aparentemente) directa com o que vem detrás, mas que acaba por fazer sentido depois. O problema, é o meio tempo entre o início de cada capítulo e a percepção do fio condutor da história.

François é um poeta que foi preso e torturado e que se encontra a aguardar a forca. Tudo muda no dia em que o Bispo de Paris o visita na sua cela e o alicia a encetar uma viagem a Jerusalém, como Caçador de Livros, em troca da sua liberdade.
François começa assim uma viagem e aventura, juntamente com Colin de Cayeux, um salteador do grupo Coquillards, onde as alianças rapidamente se quebram, onde a traição está ao virar de cada esquina e onde ninguém sabe muito bem para quem está a tabalhar e qual o objectivo último de cada uma das suas acções.

Aprendi várias coisas novas com este livro, quer sejam os caçadores de livros, conforme já referi, quer sejam as referências a Cristovão Colombo, a Pôncio Pilates, ao início da utilização do zero ou aos escritos de Arás (depois de uma pesquisa, percebi que Arás terá sido uma personagem do Novo Testamento da Biblía, um sumo sacerdote na época do julgamento de Jesus).

A escrita do escritor é cuidada sem ser erudita e a história tem um enredo rico (embora confuso, conforme referi no início). Gostaria que a personagem de Aïcha tivesse sido mais explorada, porque me pareceu muito interessante a sua personalidade. Gostei muito de François, da sua visão das coisas e da forma como se camuflava em qualquer ambiente.

É um livro que pretendo reler, numa fase mais calma da minha vida, porque sinto que perdi partes que fariam o todo melhor!

Classificação: 7/10

2 comentários:

ℒιℓιαηα ღ disse...

Este livro também me chamou logo pela atenção pelo título, e agora depois de ler esta opinião vou ter mesmo de o arranjar :)

Maria João disse...

Depois diz-me o que achaste! ;-)